Que culpa tenho eu?


Por: Luzia Winandy

Você sente culpa pelo que você FEZ ou por algo que você PENSA que fez?

O sentimento de culpa é uma das emoções consideradas negativas, porém estruturantes do desenvolvimento emocional. Só conseguimos sentir culpa porque ultrapassamos etapas mais primitivas de nossa mente. É por sentirmos culpa que aceitamos as regras impostas pela cultura, favorecendo uma disciplina e assumindo responsabilidades. Se não sentimos culpa, o nosso mundo fica esquizóide, isto é, significa que não introduzimos o outro como sendo importante na nossa existência (traduzido em falta de interesse ou isolamento social); implicaria ver somente a si mesmo como objeto de valor, sem se importar o quanto estamos magoando o outro ou transgredindo as normas sociais.

Vamos falar aqui de dois tipos de culpa: 1.A culpa por algo que VOCE FEZ. É aquela que você realmente fez ou disse alguma coisa errada, que causou danos a outra pessoa; pedir desculpas para a pessoa a quem você magoou ou prejudicou é a solução mais saudável e é estruturante das nossas emoções. Neste tipo, o sentimento de culpa é uma emoção construtiva. Se as pessoas reconhecessem a culpa que sentem, e se desculpassem, as relações humanas seriam muito melhores.

Precisamos nos sentir culpados para tentarmos reparar, ou seja, consertar algo que sentimos termos feito para aquele a quem amamos: seja o pai, a mãe, o irmão, o marido, a esposa, o filho, o amigo ou qualquer pessoa de nossas relações. Ou seja, a culpa aparece quando a pessoa percebe que magoou a pessoa amada e tem medo de perder esse amor e se sente arrependido. Assim ela busca formas de restaurar seu erro, e um deles é no pedido de desculpas, perdão ou mesmo reparando seu erro. Pedir desculpas para a pessoa a quem você magoou ou prejudicou é a solução mais saudável e é estruturante das nossas emoções. Neste tipo o sentimento de culpa é uma emoção construtiva.

No entanto, muitas pessoas não aguentam sentir a culpa, e não vêem seu erro cometido, por que para estas pessoas ficarem se sentindo culpados é doloroso, fica uma fantasia de que estragou e consertar é muito difícil. E acaba não reconhecendo seus erros e se defendendo de sentir culpa, desenvolvendo comportamentos inadequados no lugar de pedir desculpa, como por exemplo, uma indiferença, um sentimento de desamor ou hostilidade na relação com o outro a quem prejudicou, por exemplo.

•2. A culpa do que você PENSA que fez que é aquela que a pessoa, carrega em seus ombros, não pelos fatos ou erros cometidos, mas pelos erros que PENSA ter cometido.

Sente uma culpa pelas suas fantasias e pelos seus pensamentos. Fica uma “crença mágica” que você pode azarar e adoecer as pessoas apenas pensando sobre elas de forma negativa ou prejudicial. Toma seus pensamentos como verdadeiros e reais e diante de um incidente, passa a sentir culpada do ocorrido. Por exemplo, uma criança quando é frustrada pela mãe e começa a nutrir sentimentos hostis, de raiva, em relação a ela. Ao mesmo tempo em que ela ama a mãe, tem pensamentos ruins, negativos pela mãe. Ela passa a se sentir responsável por todos os males ocorridos com a mãe acreditando que foi seu pensamento hostil que provocou este mal; ou ao contrário pode acontecer da criança formar um apego exagerado à mãe como forma de proteger a mãe de seus pensamentos ruins em relação a ela. Estas culpas são nocivas.

Se você se sente culpado por alguma coisa, é importante identificar do que você sente culpado e por quê. Identificar a fonte de sua culpa e compreendê-la pode ajudá-lo a determinar se você está enfrentando uma culpa saudável ou não . É importante trabalhar esses sentimentos para superá-los.Uma psicoterapia contribui em muito para este processo de análise que pode ajudá-lo a desenvolver uma maior auto-compreensão, ajudando-o a reconhecer quando, na verdade voce fez mal a alguém ou não e chegar às raízes da culpa.

Luzia Winandy. Direitos reservados. http://www.luzia.psc.br/

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo